quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Manifestação e Fórum a 30 de Junho de 2010 em Istambul


MANIFESTAÇÃO – FORUM

Nós, membros da Marcha Mundial das Mulheres, lutamos contra a violência sexista e a pobreza que, em todo o mundo, afectam principalmente as mulheres. Dez anos após a criação da Marcha Mundial das Mulheres como rede feminista internacional, estamos de novo em marcha.

Estamos conscientes de que o contexto em que agimos se agravou desde o ano 2000. Somos confrontadas com uma ofensiva dos sectores conservadores e poderes económicos que usam as crises para impor condições de vida e de trabalho cada vez mais precárias e mal pagas assim como com os integrismos de toda a espécie que negam os direitos das mulheres a disporem livremente do seu corpo e da sua vida. Trata-se de crises enraizadas na própria lógica do sistema económico que as produziu, um sistema que implica a depredação dos recursos do nosso planeta e provoca conflitos armados contínuos em que a população civil, e as mulheres em primeiro lugar, sofrem permanentemente. É por isso que pomos em causa os fundamentos dos sistemas que nos oprimem e que estão interligados: o patriarcado, o capitalismo e o racismo.

Nestes últimos anos, os grupos que pertencem à MMM trabalharam em torno de quatro campos de acção – violência sobre as mulheres, trabalho e autonomia económica, bem comum e serviços públicos, paz e desmilitarização – realizando iniciativas de sensibilização, manifestações, pressão política e milhares de outras formas de luta, por vezes em aliança com outros movimentos sociais, privilegiando a solidariedade feminista internacional.

Em conjunto, participamos permanentemente na resistência e na construção de alternativas baseadas na paz, na justiça, na igualdade, na liberdade e na solidariedade. Em 2010, faremos ouvir ainda mais alto as nossas vozes entre 8 de Março e 17 de Outubro.

Marchas de diferentes formas, cores e ritmos vão abrir a nossa mobilização, entre o 8 e o 18 de Março, em todos os países onde a Marcha está presente, festejando ao mesmo tempo o centenário da declaração do Dia Internacional das Mulheres.

A 30 de Junho, em Istambul, faremos uma concentração feminista europeia em torno dos nossos quatro campos de acção debatidos num Fórum Público. Seguir-se-á uma manifestação que nos permitirá exprimir a nossa solidariedade com as mulheres turcas e curdas nas suas lutas pelos direitos das mulheres e dos povos à autodeterminação. Exprimiremos a nossa concepção duma Europa aberta, democrática e laica, onde todas as mulheres poderão usufruir dos seus direitos de cidadania.

Esta manifestação acontece na véspera da abertura do Fórum Social Europeu. Como sempre, a Coordenação Europeia da MMM pretende reforçar a presença feminista nas discussões no Fórum e “contaminar” com as nossas reivindicações os movimentos sociais aliados.

Entre 13 e 17 de Outubro, uma grande delegação de mulheres de todos os cantos do mundo deslocar-se-á ao Kivu (República Democrática do Congo) para testemunhar a nossa solidariedade com as mulheres congolesas, para visibilizar o seu papel fundamental na sociedade e para as apoiar no seu esforço por uma paz duradoura. Haverá acções simultâneas em todo o mundo para denunciar as responsabilidades dos governos e das multinacionais ocidentais nos conflitos.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Mulheres em Marcha até que todas sejamos livres!


Em 2010, uma vez mais, nós – militantes da Marcha Mundial das Mulheres dos cinco continentes – estaremos em marcha. Vamos marchar para demonstrar a nossa perseverança e a nossa força como mulheres colectivamente organizadas, com diferentes experiências, culturas políticas e origens étnicas, mas com uma identidade e objectivo comuns: o desejo de superar a injusta ordem actual que provoca violência e pobreza e construir o mundo que queremos, baseado na paz, na justiça, na igualdade, na liberdade e na solidariedade.

Vamos marchar em solidariedade com aquelas mulheres que não têm liberdade para o fazer devido à guerra ou aos conflitos armados; devido à divisão sexual do trabalho que mantém as mulheres prisioneiras nas suas próprias casas; devido aos sistemas capitalista e patriarcal que determinam que a esfera pública – as ruas, os locais de trabalho, os locais de aprendizagem, os espaços de lazer – está reservada aos homens; e devido à falta de tempo que as mulheres têm, por terem que fazer malabarismos para cumprir as tarefas que continuam a imputar-lhes como principais cuidadoras.

Vamos marchar para reclamar os nossos direitos. Vamos marchar para resistir àqueles que querem roubar-nos os direitos que já ganhámos na nossa luta contra a ofensiva dos fundamentalismos religiosos e dos sectores conservadores da sociedade e do Estado. Estaremos em marcha pelo mundo que queremos, onde a autonomia, a autodeterminação e a solidariedade sejam os pilares da organização das nossas sociedades.

Vamos marchar em luta contra a mercantilização das nossas vidas, sexualidade e corpos. Não somos objectos para ser comprados ou vendidos! Recusamo-nos a ser tratadas como pedaços de carne para o tráfico, para as indústrias pornográfica e publicitária! Não vamos aceitar violências nos nossos lares e locais de trabalho! Estaremos em marcha até que todas as mulheres vivam as suas vidas, livres de violência e de ameaça de violência.

Vamos marchar para denunciar o sistema capitalista, sexista, racista e homofóbico que explora o trabalho diário reprodutivo e produtivo das mulheres, ao mesmo tempo que concentra as riquezas nas mãos de uns poucos. Exigimos salário igual para trabalho igual, um salário mínimo justo, a reorganização e distribuição do trabalho de cuidados e a segurança social, sem qualquer tipo de discriminação. Estaremos em marcha até que todas as mulheres consigam autonomía económica.

Vamos marchar pelo fim imediato dos conflitos armados e pela utilização dos corpos das mulheres como despojos de guerra. Vamos marchar para mostrar os interesses económicos que se escondem por detrás dos conflitos – o controlo dos recursos naturais, o controlo dos povos, o lucro da indústria armamentista. Estaremos em marcha até que as mulheres sejam reconhecidas e valorizadas como protagonistas dos processos de paz e de reconstrução e manutenção activa da paz em seus próprios países.

Vamos marchar em luta contra a privatização dos recursos naturais e serviços públicos. Vamos marchar pela soberania alimentar e energética, contra a destruição e controlo dos nossos territórios e contra as falsas soluções face às alterações climáticas. Estaremos em marcha até que alcancemos o direito à saúde, à educação, à água potável, ao saneamento, à terra, à habitação e à autonomia sobre as nossas sementes tradicionais.


¡Junta-te à nossa acção!

A 3ª Acção Internacional da Marcha Mundial das Mujeres (MMM) organiza-se em torno de dois momentos principais:

    - De 8 a 18 de Março, com marchas e mobilizações nacionais simultâneas de diferentes tipos, formas, cores e ritmos, marcando também o centenário da Declaração do Dia Internacional das Mulheres, instaurada pelas delegadas da 2ª Conferência Internacional de Mulheres Socialistas em Copenhaga em 1910;

    - Marchas e acções simultâneas entre 7 e 17 de Outubro, com uma mobilização internacional no Kivu Sul na República Democrática do Congo (RDC) como forma de fortalecer o protagonismo das mulheres na resolução de conflitos.

Realizar-se-ão mobilizações, acções e actividades entre estes dois períodos-chave, em vários países e também a nível regional:

- Américas: 21 – 23 de Agosto, Colômbia

- Ásia e Oceânia: 12 – 14 de Maio, Filipinas

- Europa: 30 de Junho, Turquía

A acção internacional está aberta a todos os grupos de mulheres e a mulheres que queiram juntar-se a nós na luta pela construção do mundo que queremos, baseado nas alternativas das mulheres. ¡Vem e marcha connosco!

Se vives num país em que a MMM está organizada numa Coordenação Nacional (CN) (por favor vai à nossa página www.worldmarchofwomen.org ou contacta-nos em info@marchemondiale.org para obtures mais informações), o primeiro passo é entrares em contacto com as companheiras que participam e consultá-las sobre as actividades previstas para este ano. ¡O segundo passo é aderires!

Si vives num país onde não há uma CN, por favor, não deixes de organizar as tuas próprias mobilizações e actividades. Podem ser de formas criativas e diversas: marchas, manifestações, actos simbólicos, conferências, debates, lançamento de campanhas, distribuição de materiais escritos, apresentações culturais (música, dança, filmes, etc.), conferências e comunicados de imprensa, oficinas, fóruns, acções directas, vigílias, utilização de símbolos visuais (bandeiras, faixas, pancartas, marionetas, etc.), reuniões com autoridades, teatro, batucadas, encontros fronteiriços para apresentação das nossas reivindicações.

Também vos convidamos a visitar regularmente a secção sobre a Acção Internacional da nossa página para verem os textos, logos e outros materiais que possam ser usados para preparar a acção: http://www.marchemondiale.org/actions/2010action/en

E finalmente, não esqueças que no Secretariado Internacional estamos sempre dispostas a apoiar-te ou ao teu grupo, o melhor que nos for possível. Escreve-nos e diz-nos quais são os teus planos, quem faz parte do teu grupo e como podemos ajudar-te: info@marchemondiale.org

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Marchantes


As Marchantes são uma das propostas de acção da MMM para 2010. São construídas colectivamente em oficinas ou em outros processos colectivos. Queremos:

o Gerar solidariedade entre as mulheres do mundo: Representar os vínculos e as solidariedades entre as coordenações e as regiões do mundo. Sentir que caminhamos jun...tas para reencontrarmos com as mulheres.

o Através da criação, apropriar-se dos 4 campos de acção para ressaltar o vivido e as esperanças, sendo a criação em si uma ferramente de educação popular.

Caminhante, são teus passos o caminho, e nada mais; caminhante, não há caminho, faz-se caminho ao andar. [Antonio Machado, Proverbios y Cantares XXIX (1875-1939)]



terça-feira, 2 de fevereiro de 2010


Acções Mundiais 2010 pela Paz e Desmilitarização

A 17 de Janeiro, reuniram-se em Assembleia organizações aderentes à Marcha Mundial das Mulheres em Portugal para programar acções em Portugal em 2010. O grande tema para a acção mundial em 2010 é a Paz e a Desmilitarização, articulada com os outros temas centrais da MMM: Bem comum, serviços públicos e soberania alimentar; Trabalho das mulheres; Violência contra as mulheres. Em síntese, estas foram as principais decisões da Assembleia:

ACÇÕES 2010

8 a 18 de Março Acções em todo o país. Programada uma primeira grande acção a 8 de Março no Rossio. Propostas acções em diversos pontos do país. Apela-se a propostas de outras acções no país. Em anexo segue calendarização já feita.

24 de Maio Dia das Mulheres contra a guerra

7 a 17 de Outubro Acções em todo o mundo, culminando num Encontro Internacional em Sud Kivu, no Congo.

ADESÕES À MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES

Apela-se a todas as organizações que desejem aderir para o formalizarem com a maior brevidade possível. Para o fazer basta enviar um mail para mmmulherespt@gmail.com e indicar a pessoa que irá acompanhar a Marcha e seus contactos.

GRUPOS DE TRABALHO ACÇÕES EM PORTUGAL

Foram criados 4 grupos de trabalho para preparar as acções: Comunicação, Logística, Materiais e Financeiro. Qualquer um deles implica bastante trabalho e quanto mais pessoas a apoiar mais força poderão ter as acções. Voluntári@s são bem vind@s!


COMO COLABORAR:

1. Aderindo!!
2. Espalhando a notícia (Partilhando pelo facebook com @s amig@s, enviando mails, imprimindo materiais sobre as acções que forem surgindo, de todas as outras formas que se lembrarem)
3. Escrevendo-nos para mmmulherespt@gmail.com dizendo da vossa vontade/disponibilidade e indicando lugar do país onde podem trabalhar connosco.

Para contactar-nos:

mmmulherespt@gmail.com